Por: Pedro Henrique Nogueira

Advogado e consultor jurídico. Doutor (UFBA) e Mestre em Direito (UFAL). Professor na UFAL (graduação e mestrado). Membro do Instituto Brasileiro de Direito Processual (IBDP), da Associação Norte Nordeste de Professores de Processo (ANNEP) e do Instituto Iberoamericano de Direito Processual.
www.pedrohenriquenogueira.com.br

Busca neste blog

19 de março de 2012

"I'm still alive" - A força da interpretação

No depoimento que antecede a música, ele (Eddie, vocalista do Pearl Jam) diz que sua mãe lhe revelou um segredo durante a adolescência: quem ele achava ser o seu  pai na verdade não o era e o seu pai verdadeiro falecera, quando ele tinha 13 anos. Essa revelação, que se transformou na música  (Alive) foi considerada por Eddie como uma "maldição". As pessoas, porém,  cantando e vibrando com a música, interpetrando-a, segundo ele, quebravam a maldição. A letra criada para expressar algo terrível, agora, pela força da interpretação, serve para libertá-lo desse trauma do passado. As palavras são as mesmas, mas o sentido mudou e por obra dos destinatários. Assim também sucede com o Direito...
O depoimento é revelador e a música, sensacional.


2 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns pelo blog prof., em tempos de um direito estritamente ligado ao pragmatismo de provas de ordem, e não obstante a uma prática da advocacia estritamente fraca e tímida, baseada quase que tão somente em repetir e legitimar aquilo que já se sabe. Já não mais interpretamos os fatos sociais como sintomas, já não mais somos aqueles "médicos-legisladores" que um velho de bigode pregava que deveríamos ser, mal chegamos ou estamos perto de ser eu creio, pobre Nietzsche, a "barbarire-civilizada" em que vivemos o faria preferir ter sua audição e visão extirpadas. E é com grande apreço e reconhecimento, pelos artigos e pelas palavras aqui postas, que venho dizer um simples parabéns, jamais com o intuito de estar-se idolatrando, pois temos mais ídolos neste mundo do que verdades, mas como forma de um puro e simples reconhecimento à um pensamento autêntico e perspicaz, por informações dignas de quem apreende com aquilo que lhe dado, e não apenas legitima aquilo que já se sabe. Parabéns de um não aluno e um não conhecido! Att. Luiz F.

Pedro Henrique Pedrosa Nogueira disse...

Meu caro Luiz F., agradeço seu comentário. Espero sua importante participação no blog nas próximas postagens. Um abraço

Busca na web

Pesquisa personalizada